Galeria do Rock Walking Tour cria passeio monitorado dedicado à arte de rua

E lá vamos nós para mais um tour com a pessoa que mais nos ensinou sobre nossa cidade até hoje: a  Luana Fernandes das páginas @ilovesaopaulo e @galeriadorocktours. Da última vez nosso tour foi sobre as Galerias do Centro e dessa vez foi sobre Street Art e com a companhia dos queridos Instas de SP

Mural de Tec Fase @tecfase – Foto: ExperimenteSP

 O tour durou cerca de 4h andando. O ponto de encontro foi no Largo da Santa Cecília e fomos caminhando pelo Centro da cidade. Observamos os grafites, intervenções urbanas, arquitetura e muitas outras curiosidades. Terminamos no topo da Galeria do Rock, que tem um jardim incrível com muitas plantas e até abelhas sem ferrão que são responsáveis pelo replantio das árvores da cidade.

Jardim da Galeria do Rock – Foto: ExperimenteSP

Durante o tour encontramos milhares de intervenções e comentamos sobre cada uma delas. Porém, as paradas foram basicamente para contemplar os grafites que fizeram parte do evento Obra Festival de 2015. É incrível as ideias dos caras e o olhar que cada um tem do mundo, a grandiosidade e a conservação que as obras se encontram depois de quase 2 anos.

Mural de Vitché + Jan Kalab @vitche1 @jankalab – Foto: ExperimenteSP

A arte de rua tem umas particularidades únicas – principalmente no Brasil -, como a Lu nos ensinou ‘’ela é feita da rua para a rua’’. Então o artista sempre está ciente que a partir do momento que ele  termina a arte, tudo pode acontecer com ela, como: outras intervenções, ser ‘’apagada’’ e, até mesmo, construírem um prédio em cima do grafite, como podemos ver na foto abaixo. 🙁

Mural de Jaz e Conor Harrington cobertos @francofasolijaz @conorsaysboom – Foto: ExperimenteSP

Essa arte é forte, contestada e que dividem opiniões, mas a verdade é: qual arte e movimento cultural de expressão que não viraram polêmica?
A arte de rua é capaz de alegrar o dia de muitas pessoas, cutucar com problemas sociais e emocionar.

E sabe o lado bom de tudo isso? É que vemos esse movimento todo acontecer em tempo real, vivos, seguindo os artistas em redes sociais, os encontrando no metrô, vendo como as cidade muda de um dia para o outro como se fosse viva. E a dica que eu dou é: fotografe, aquilo que fez você parar o seu trajeto hoje, amanhã pode não estar mais lá!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *