ExperiMente Ler: O Guia dos Curiosos

A curiosidade é a cura para o tédio. Mas não há cura para a curiosidade.” Dorothy Parker

O-guia-dos-curiosos_300_CMYK_JPGO autor garimpa informações para buscar conhecimento e diversão. Vai da velocidade de um espirro ao número de ovos que uma galinha bota por ano. Em se tratando de curiosidades, cada um decide o que lhe serve. O livro traz informações de todo tipo e inclui quase mil ilustrações, quadros e gráficos.

ExperiMente Ler: O Caçador de Pipas

Por você, faria isso mil vezes!”

pipas_capa‘O caçador de pipas’ conta a história de Amir, um afegão há muito imigrado para os Estados Unidos, que se vê obrigado a acertar as contas com o passado e retorna a seu país de origem. O ponto de partida do livro é a infância do protagonista, quando Cabul ainda não era a capital do país que foi invadido pela União Soviética, dominado pelos talibãs e subjugado pelos Estados Unidos. (Fonte: Editora Nova Fronteira)

ExperiMente Ler: Rota 66

O saldo da matança da PM, somente até 1975, já é maior, portanto, que o número de mortos e desaparecidos políticos durante todo o período de 21 anos de ditadura militar.” (BARCELLOS, 2010, p. 89)

livro_rota66“Rota 66 – A História da Polícia que Mata” é um livro-reportagem produzido pelo jornalista Caco Barcellos. Após uma rigorosa investigação sobre o trabalho da Polícia Militar de São Paulo entre as décadas de 1970 e 1990, Barcellos descobre, diante da atuação truculenta e irregular da Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar (Rota), que existia um “esquadrão da morte” responsável pela morte de milhares de pessoas, sendo a maioria delas inocente.

ExperiMente Ler: Maus – A História de um Sobrevivente

maus-01

Maus (“rato”, em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. Nas tiras, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto. (fonte: Cia. das Letras)

O que ele achou:  uns três anos, me deparei com uma greve do Metrô – transporte fundamental para chegar ao meu trabalho. Porém, existiam outras alternativas, e assim tive que fazer: fui de ônibus. Munido de uma garrafa d’água e livro novo na mochila, embarquei nessa empreitada de chegar ao meu destino em meio ao caos da greve.

Então comecei a ler, percebi que era diferente, era um livro em quadrinhos – nunca havia lido nem sequer um quadrinho da Turma da Mônica na minha vida – que falava sobre um presidiário em um campo de concentração. Acreditem, na minha cabeça a viagem não tinha demorado nem dez minutos, porém durou cerca de quatro horas. Ao chegar no meu trabalho nos incríveis “dez minutos”, percebi que já tinha lido o livro inteiro. Fiquei incrédulo pelas histórias que havia lido pela manhã e pelo caos estabelecido na cidade que eu nem “presenciei”, pois estava ocupado lendo Maus.

Maus é um dos melhores livros que já li. Muito bem editado, leitura fácil; e mesmo tratando de um assunto pesado, a leitura é descontraída; tenso quando precisa ser tenso. As histórias te prendem do começo ao fim. É um poço de sabedoria contado por um ratinho.

Bom, por mim falaria até amanhã sobre este livro, porém preciso deixar espaço para a Bruna. Quando falo muito, ela briga. rs Então aproveitem a dica.

O que ela achou: O que mais têm por aí são histórias sobre o Holocausto, não é? São diversos filmes, livros, documentários, reportagens. Na faculdade mesmo, fui a uma palestra em 2011, na qual os convidados eram dois sobreviventes que no pós-guerra se refugiaram no Brasil, e eles nos contaram o que viveram nos campos de concentração.  

Apesar de Maus ser uma história em quadrinhos, isso não que dizer que a leitura seja mais leve, pelo contrário: as crueldades dos nazistas são contadas e ilustradas em detalhes. Achava que encontraria mais do mesmo – diante da variedade de relatos que já li, ouvi e assisti -, mas o livro surpreende com uma narrativa diferente e uma história que envolve o relacionamento de pai e filho, este que não viveu o Holocausto e que ouve todas as memórias contadas por aquele. 

As histórias sobre o Holocausto são muito comoventes e o desfecho para mim é sempre o mesmo: choro, choro muito. No Maus não foi diferente. 

Maus – A História de um Sobrevivente
Autor: Art Spiegelman
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 296
ISBN 9788535906288