‘Madrugada Desperada’: a série sobre os artistas da madrugada

Na noite de sexta-feira para o sábado participamos da pré-estreia da série documental Madrugada Desperada, produzida em parceria por Desperados e a Conspiração Filmes, com  Fernanda Young como apresentadora. Serão oito episódios que vão ao ar às quintas-feiras  no canal Urban Feed do Youtube. Como o próprio slogan da série diz “Enquanto alguns dormem, para nós a madrugada é só o começo”, Madrugada Desperada fala sobre os artistas que usam a madrugada de São Paulo como plataforma de arte.

Veja o trailer:

 

Passo pelo centro de São Paulo todos os dias no caminho do trabalho e tento observar o máximo de detalhes possíveis da cidade. Mesmo não me considerando um ótimo observador, consigo às vezes identificar como a paisagem urbana se transforma de um dia para o outro: uma intervenção artística nova, rastros de concentração de pessoas ou até uma garrafa de cerveja deixada em um canto não apropriado para descarte. Ou seja, aconteceu algo por ali. Em qual momento isso apareceu ali? Por quê? Difícil não se questionar ao ser surpreendido com algo novo e mais surpreendente ainda são as respostas, e a conclusão vai muito além do concordar ou discordar.

Enquanto dormimos, existem milhões de coisas sendo feitas por aí! Enquanto alguns dormem, fazemos milhões de coisas! E o melhor: tem pessoas que fazem coisas para nós, como se fosse um presente. As intervenções urbanas são um presente de um desconhecido, e a maioria desses atos são ignorados; já outros observados e capazes de mudar uma vida. Lembrando Teoria do Caos: um ato feito por alguém pode causar uma mudança para outro alguém.

Achei incrível a proposta de uma “propaganda” deixar o produto em segundo plano e promover um debate, o pensamento e o respeito! Como a Desperados é uma cerveja da Heineken, não tem como deixar passar batido e lembrar o quão a marca é presente em ações voltadas para pessoas.

Da rua para a galeria
Além da série, a cerveja Desperados apresenta a partir do dia 30 de abril a Galeria Desperada, projetada para acontecer no último andar da Galeria Ouro Fino – marco da cultura urbana de São Paulo. Contará com instalações artísticas de personagens da série e uma sequência de oito festas programadas para acontecer aos sábados. O espaço da Ouro Fino será ocupado pela cenografia do Estúdio Xingu e contará com programação musical assinada pelo projeto Jambox. O espaço funcionará até dia 25 de junho com entrada gratuita. Lista para cadastro e aquisição de convites a serem divulgadas na página de Desperados no Facebook.

Galeria Desperada @ Galeria Ouro Fino
Local: R. Augusta, 2690 – Cerqueira César, São Paulo – SP
Abertura para convidados: 30 de abril, sábado, às 23h.
Abertura para público: 07 de maio, domingo, às 23h.
Dia de funcionamento: sábados, das 23h à 05h.
Capacidade total por dia: 250 pessoas

Período de funcionamento: 30 de abril até 25 de junho

 

‘Zootopia’ faz uma crítica social e política do mundo real em desenho

“É um ridiculo e por um acaso ele é uma raposa, mas existem vários coelhos ridículos também”

Zootopia é uma cidade diferente de tudo o que você já viu. Formada por “bairros-habitat”, como a elegante Praça Sahara e a gelada Tundralândia, essa metrópole abriga uma grande diversidade de animais irreverentes sempre prontos para encarar uma nova e divertida aventura.Quando Judy Hopps (voz de Monica Iozzi) chega em Zootopia, ela descobre que ser a primeira coelha da equipe da polícia, formada por animais grandes e fortes, não é nada fácil. Determinada a provar seu valor, ela embarca em uma aventura atrapalhada e bem humorada, ao lado do malandro raposo Nick Wilde (voz de Rodrigo Lombardi) para desvendar um grande mistério.

O que ele achou: Não é de hoje que a Disney aborda sutilmente temas sociais importantes, porém desta vez – pelo menos ao meu ver – eles foram menos sutis e deixam bem claro que o objetivo principal do preconceito é destruir sonhos. O que também fica bem claro no filme, que nunca antes existiram tantas pessoas com o intuito de desafiar e, claro, vencer preconceitos que no futuro irão envergonhar muita gente. Baita crítica social e até política, deixando claro para criançada do que alguém é capaz pelo poder, filme ótimo para os dias que vivemos.

O que ela achou: É incrível como a Disney vem conseguindo mudar o seu jeito de criar histórias. Há algum tempo os desenhos já não envolvem a dependência feminina de um príncipe encantado. ‘Valente’ mostra o amor entre mãe e filha, ‘Frozen’ entre irmãs, entre outros filmes que estrearam nos últimos anos. Judy, a coelhinha policial de ‘Zootopia’, é mais uma prova de que a Disney vem tentando mostrar a força feminina em seus filmes.

‘Zootopia’ foi além. Como o próprio nome diz, o filme é a “utopia dos animais”, onde presas e predadores vivem em completa harmonia. De forma sutil o filme fala sobre o preconceito, corrupção, o mau atendimento público, bullying. Um filme para ensinar crianças e dar um soco no estômago dos adultos.

Assista ao trailer:

Lançamento: 17 de março de 2016
Duração: 1h48min
Dirigido por: Byron Howard, Rich Moore
Vozes: Ginnifer Goodwin, Jason Bateman, Idris Elba
Gênero: Animação, Família, Comédia
Nacionalidade: EUA

O angustiante e delicado filme “O Quarto de Jack”

Bom dia, abajur. Bom dia, planta. Bom dia, pia.

“O Quarto de Jack” conta a extraordinária história de Jack (Jacob Tremblay), um espirituoso menino de 5 anos que é cuidado por sua amada e devota mãe (Brie Larson). Como toda boa mãe, Ma se dedica em manter Jack feliz e seguro, cuidando dele com bondade e amor, e fazendo coisas típicas como brincar e contar histórias. Sua vida, entretanto, é tudo menos normal – eles estão presos – confinados em um espaço de 10 m² sem janelas, o qual Ma chamou eufemisticamente de “O Quarto de Jack”.

O que ele achou: Angustiante, tenso e sinistro. Ao lembrar de “O Quarto de Jack” vem na cabeça os piores sentimentos e tristeza. Colocando-se no lugar da mãe, da criança e imaginar como seria o mundo se tivéssemos vivido em um quarto de 10 metros quadrados, muita coisa passa na cabeça após ver o filme.

Para não dizer que não falei das flores, a criatividade, fé e o amor que a mãe tem para criar o filho é uma linda motivação que ajuda a esquecermos toda maldade existente na história. Atenção total para atuação do pequeno Jacob Tremblay, muito incrível o que essa criança foi capaz de fazer.

O que ela achou: Filme de uma delicadeza incrível para um assunto tão pesado e que já aconteceu com muitas mulheres nos Estados Unidos. “O Quarto de Jack” tem momentos de pura angustia e nos faz pensar em como uma pessoa consegue viver presa em um quarto por 7 anos e dar à luz a uma criança que chegou aos 5 anos dentro do quarto sem conhcer o mundo lá fora.

A atuação do ator mirim Jacob Tremblay é de transbordar os olhos por muitas vezes. E pensar em como é possível uma criança desse tamanho atuar dessa forma tão tocante. A atriz Brie Larson consegue transparecer o desgaste de viver por tanto tempo presa em um lugar tão minúsculo.

Assista ao trailer:

Lançamento: 18 de fevereiro de 2016
Duração: 1h58min
Dirigido por: Lenny Abrahamson
Atores principais: Brie Larson, Jacob Tremblay, Joan Allen
Gênero: Drama , Suspense
Nacionalidade: Canadá , Irlanda

“O Regresso” e a incrível atuação de DiCaprio

“Não tenho mais medo de morrer…. Já morri uma vez”

Inspirado em fatos reais, “O Regresso” é uma experiência cinematográfica imersiva e visceral. Em uma expedição do deserto americano desconhecido, o lendário explorador Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) é brutalmente atacado por um urso e deixado como morto por membros de sua própria equipe de caça. Em uma busca para sobreviver, Glass resiste ao sofrimento inimaginável, bem como a traição de seu confidente John Fitzgerald (Tom Hardy). Guiados por pura força de vontade e do amor de sua família, Glass deve navegar em um inverno vicioso em uma busca incessante para viver e encontrar a redenção.

O que ele achou: Caraca moleque, que filme! Que isso? rsrs
Eu gostei muito, é incrível! A atenção é presa desde o início. Como uma montanha russa, nossos sentimentos são levados do entusiasmo à angústia, esperança e tristeza.

Um filme é muito mais do que assistimos na telinha, é um projeto! E esse foi um baita projeto, feito por gente maluca e ousada com um resultado maravilhoso!
Após assistir, pesquisei sobre as gravações e fiquei mais impressionado ainda; o filme foi gravado apenas com as luzes naturais, a equipe tinha um meteorologista próprio e a galera passou um frio danado! Entre outros fatos sinistros, vale a pesquisa.

A história é baseada em fatos reais e então pensei “como pode, existir pessoas com essas histórias? Minha vida não daria nenhum curta-metragem 🙁 “. Apenas essa passagem da vida de Hugh Glass já rendeu um filme, imagina o resto… Que homem! rsrs
Mesmo achando o Oscar um prêmio sem credibilidade, acredito que o Leozinho ficaria bem feliz de levar desta vez, a atuação do moço foi de tirar o fôlego!

O que ela achou: Muitos estão cansados de ouvir falar nisso, mas, sério, não é possível que desta vez a estatueta do Oscar não vá para o Leozinho (forma carinhosa que Felipe e eu passamos a chamar o Leonardo DiCaprio haha), com a atuação do personagem Hugh Glass. Confesso que detestava o ator e o filme “Titanic”, mas, aos poucos, DiCaprio conquistou um espaço no meu coração com suas atuações brilhantes em filmes incríveis.

“O Regresso” é de tirar o fôlego e, ao mesmo tempo, percebi que estava me escondendo atrás do ombro do Felipe para não assistir cenas que davam muita aflição. Fotografia impecável e trilha sonora ótima, mas por vezes dispensada; uma parte terrivelmente triste do filme foi tomada por um imenso silêncio, apenas a respiração do ator podia ser ouvida. Achei isso incrível! Na maior parte do filme, Glass não fala nada, o que exige muito mais da interpretação de DiCaprio.

Assista ao trailer:

 

Lançamento: 4 de fevereiro de 2016
Duração: 2h36min
Dirigido por: Alejandro González Iñárritu
Atores principais: Leonardo DiCaprio, Tom Hardy, Domhnall Gleeson
Gênero: Faroeste , Drama, Aventura
Nacionalidade: EUA

“Os Oito Odiados” o novo filme de Tarantino

Ora, ora, ora… Parece que a Mercearia da Minnie ficará acolhedora nos próximos dias.

Durante uma nevasca, o carrasco John Ruth (Kurt Russell) está transportando uma prisioneira, a famosa Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh), que ele espera trocar por grande quantia de dinheiro. No caminho, os viajantes aceitam transportar o caçador de recompensas Marquis Warren (Samuel L. Jackson), que está de olho em outro tesouro, e o xerife Chris Mannix (Walton Goggins), prestes a ser empossado em sua cidade. Como as condições climáticas pioram, eles buscam abrigo no Armazém da Minnie, onde quatro outros desconhecidos estão abrigados. Aos poucos, os oito viajantes no local começam a descobrir os segredos sangrentos uns dos outros, levando a um inevitável confronto entre eles.

O que ele achou: Sempre achei os diálogos do Tarantino um dos melhores do cinema e questionava: “Por que ele não faz um western?”. Mesmo após o Django eu ainda tinha o mesmo pensamento. Enfim “Os 8 Odiados” suprimiu minha “necessidade”, só faltou o Clint Eastwood. rsrs

As boas características dos filmes de faroeste como: silêncio angustiante, personagens misteriosos, pistolas, espingardas e tiros. Tudo isso com uma pegada Tarantino: sangue, muito sangue.

A história acontece praticamente por meio de conversas e conhecemos todos os personagens pelo que eles dizem – coisas que podem confundir um pouco, já que esses cabras não são muito confiáveis.

Os conflitos raciais e resquícios da Guerra Civil americana são bastante exaltados, e em alguns momentos eu pensava: “Como posso rir com esse tanto de sangue rolando?”. Sim, como de praxe nos filmes do Tarantino demos risadas com a ultraviolência e até mesmo com cenas trashs. Isso é muito louco!

O que ela achou: Como na maioria dos filmes de Tarantino, em “Os Oito Odiados” não existe complexidade na história. Com poucos personagens, é possível entender rapidamente a história de cada um. Na primeira hora de filme, Tarantino deu atenção para os longos diálogos e passagens de cena demoradas (como a do início), dando valor à narrativa sólida e à fotografia incrível das cenas na nevasca.

Assistimos “Os Oito Odiados” naquelas poltronas reclináveis da sala VIP do Cinemark, na última sessão, com pouca ação e a história “parada” no começo foi difícil aguentar o sono. Na segunda parte do filme, o diretor me surpreendeu com o enigma que surgiu no ar, forçando o  expectador a tentar desvendar o mistério – o qual não consegui adivinhar. É nessa última hora que surge os detalhes de Tarantino que tanto conhecemos.

É incrível ver o que o diretor consegue construir com oito personagens distintos numa mesma cena, num mesmo local. Samuel L. Jackson dá um show de interpretação com seu personagem Marquis Warren. Um filme imprevisível e genial como todos os que já vi de Tarantino. Mas ainda não conseguiu superar o meu favorito, o “Bastardos Inglórios”.

Assista ao trailer:

Lançamento: 7 de janeiro de 2016
Duração: 2h48min
Dirigido por: Quentin Tarantino
Atores principais: Samuel L. Jackson, Kurt Russell, Jennifer Jason Leigh
Gênero: Faroeste , Drama, Suspense
Nacionalidade: EUA

12 motivos para assistir Star Wars: O Despertar da Força

Antes mesmo de sua estreia, o novo filme da saga Star Wars teve a maior pré-venda de ingressos da história e especialistas estimam que será recorde de bilheteria mundial. Não é por menos, a saga move fãs de todas as idades e do mundo inteiro, como se fosse passado de geração em geração pelos pais. Nós fomos à pré-estreia e podemos garantir que o filme é épico! Por isso, listamos seis motivos para assistir Star Wars: O Despertar da Força e mais seis dedicados àqueles que nunca viram nem sequer um episódio da saga.

1 – O frio na barriga depois de tantos anos ver o mesmo ritual do início do filme – as letras subindo -, sendo que para alguns isso só pôde ser visto pela TV.
a-long-time-ago

2 – Matar a saudade de personagens consagrados dos outros episódios.
chewbacca-ran-solo-star-wars-fonte-giohy.com

3 – O novo droid é um espetáculo de simpatia. Dá vontade de ter um BB-8 em casa.
bb8-slista-star-wars-giphy.com

4 – Ver a quantidade de crianças no cinema que admiram o Star Wars e, assim como a resistência do filme, a esperança resurge dentro de nós. Jogos Vorazes who?
star-wars-adawans-www.starwars.com

5 – Ver que apesar do filme não ser comandado por George Lucas, a essência foi mantida por J.J. Abrams.
george-lucas-star-wars-reproducao

6 – Os atores da nova geração não decepcionam e cativam do início ao fim.
novos-personagens-star-wars-fonte-giphys.com

Pera! Como assim você nunca assistiu Star Wars? Então veja os motivos pelos quais você deve assistir a saga:

1 – A história é incrível e não existe essa coisa de “filme de menino”.
os-batutinhas-wifflegif.com

2 – Os filmes conseguem ter uma explosão de emoções que envolvem política, romance, tecnologia, ficção, drama, comédia.
star-wars

3 – Mesmo com a grande influência futurista, conseguimos identificar aquele bom e velho bang-bang e aceitamos o barulho de pew pew pew no espaço – o que é impossível, segundo a Física.
falcon-millenium

4 – Você vai se questionar: “Como isso foi gravado em 1977?”
estrela-da-morte

5 – Monstros feios, ETs e droids serão tratados com naturalidade, igualdade e até serão admirados por você.
mestre-yoga-giphys.com

6 – Você vai rir, amar, odiar e se emocionar.

c3po-r2d2-luke-leia


Preparados para assistir depois desses motivos? Que a Força esteja com vocês!

Curta “Royale With Cheese” mostra a violência urbana à la “Pulp Fiction”

“O mundo é redondo, para neguinho não se esconder pelos cantos.”

O filme trata de um erro de julgamento de um garoto chamado Jules, em uma manhã qualquer ele deixa sua bicicleta em frente de sua casa para um amigo (que vai pegar maconha para eles) e sai. No caminho avista dois tipos meio estranhos e segue seu caminho, mais adiante quando ele faz a volta no quarteirão, ele vê os dois tipos com uma bicicleta igual a dele. Ele não tem dúvida joga o carro em cima dos dois. Só que a bike não era a dele.

“Hoje Eu Quero Voltar Sozinho” conta a história de jovem cego que descobre nova maneira de perceber o mundo

“Porque tem que ser diferente? Porque você não tenta fazer ser igual?”

Leonardo é um adolescente cego que, como qualquer adolescente, está em busca de seu lugar. Desejando ser mais independente, precisa lidar com suas limitações e a superproteção de sua mãe. Para decepção de sua inseparável melhor amiga, Giovana, ele planeja libertar-se de seu cotidiano fazendo uma viagem de intercâmbio. Porém a chegada de Gabriel, um novo aluno na escola, desperta sentimentos até então desconhecidos em Leonardo, fazendo-o redescobrir sua maneira de ver o mundo.